domingo, 23 de setembro de 2018


Em campanha no Piauí, Ciro Gomes defende "trabalho para os pais" e "educação para os filhos"

Ciro Gomes fez  campanha em Teresina (PI) e em Timon (MA) neste domingo (23). Ele caminhou com apoiadores, cumprimentou eleitores e conversou com a imprensa.[NEGRITO] ...... [/NEGRITO]

Por Andrê Nascimento, G1 — Teresina

23/09/2018 11h11  Atualizado há 6 horas

 Ciro Gomes durante entrevista em Teresina (PI) neste domingo (23) — Foto: Andrê Nascimento/G1 Ciro Gomes durante entrevista em Teresina (PI) neste domingo (23) — Foto: Andrê Nascimento/G1
Ciro Gomes durante entrevista em Teresina (PI) neste domingo (23) — Foto: Andrê Nascimento/G1


O candidato do PDT a presidente da República, Ciro Gomes, afirmou neste domingo (23) durante campanha em Teresina (PI) que suas melhores propostas para o país são "trabalho para os pais e educação para o filhos".

Ciro Gomes caminhou pelo entorno do mercado público do bairro Dirceu Arcoverde, em Teresina. O candidato conversou com jornalistas e cumprimentou eleitores, antes de partir para outro evento na cidade vizinha de Timon, no Maranhão.

"As melhoras propostas podem ser basicamente resumidas em duas frases: trabalho para os pais e educação para o filhos", disse o candidato.
Ciro Gomes voltou a falar sobre a sua proposta para quitar débitos de consumidores no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), projeto que ele batizou de "Nome Limpo". Nas contas de Ciro, há atualmente cerca de 63 milhões de pessoas com restrição de crédito no SPC, correspondente a 30% da população brasileira.

Segundo o candidato, a medida é necessaria para a retomada do crescimento. Para o mesmo objetivo, Ciro Gomes defende a reestruturação das condições de financiamento empresarial e para a agricultura.

"Nós precisamos retomar o desenvolvimento. Ajudar as familias a se livrarem do SPC e esse é um projeto que eu tenho bem estudado, nós precisamos restaurar a condição de financiamento empresarial, reestruturando com o BNDES [Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social], o Banco do Brasil e a Caixa Economica a condição estrangulada das empresas brasileiras – 220 mil lojas fecharam nos últimos três anos, 13 mil indústrias foram fechadas nos últimos três anos", afirmou.

"Precisamos arrumar as contas públicas, começando por crédito para a agricultura familiar, crédito para a agricultura de alta linhagem e fundamentalmente uma explosão de empregos com construção civil, moradia popular e saneamento básico e, por fim, retomar a industrialização perdida pelo Brasil", concluiu.

O candidato do PDT a presidente posa para fotos com apoiadores em Teresina (PI) — Foto: Andrê Nascimento/G1 O candidato do PDT a presidente posa para fotos com apoiadores em Teresina (PI) — Foto: Andrê Nascimento/G1
O candidato do PDT a presidente posa para fotos com apoiadores em Teresina (PI) — Foto: Andrê Nascimento/G1

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Quase 4 mil toneladas de lixo foram recolhidas de janeiro a abril na capital

'Faxina nos Bairros' faz parte das ações de combate ao Aedes aegypti.
Operação já abrangeu 70 bairros e volta a acontecer neste sábado (14).

























De janeiro a abril, quase quatro mil toneladas de lixo foram recolhidas durante as operações do projeto 'Faxina nos Bairros', realizadas pela Prefeitura de Teresina. As ações fazem parte da política pública de combate ao mosquito Aedes aegypti, causador das doenças como a dengue, zika e chikungunya, e já atingiu a mais de 70 bairros.

Uma nova operação deve ser realizada no próximo sábado (14) por equipes das Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDU), junto com o trabalho educativo de agentes de saúde e endemias da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

Os bairros contemplados na nova etapa são: Nova Brasília, Zona Norte, Santo Antônio, Zona Sul, Cidade Leste, na Zona Leste, e Todos os Santos, na Zona Sudeste de Teresina.
Há um mês, o prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB) prorrogou o decreto de emergência em saúde pública que determinou o reforço nas ações de combate e prevenção ao Aedes aegypti. Com a assinatura, o documento passa a ser válido por mais 90 dias.

'Faxina nos Bairros' começou ainda no mês de dezembro e desde então tem acontecido todos os sábados em vários bairros da capital.

O trabalho de combate ao mosquito também conta com a ajuda de militares do exército, um pedido da Prefeitura de Teresina, depois que a capital apresentou um aumento no número de casos de microcefalia em recém-nascidos, anomalia que tem ligação com o zika vírus.

De acordo com a FMS, essas ações têm reduzido os números de casos notificados de dengue na capital. Segundo o presidente do órgão municipal de saúde, Francisco Pádua, a redução no número de casos foi em até 70% em comparação ao ano passado.

Até o mês de maio o número de casos notificados em Teresina somaram 1.495. No mesmo período do ano passado, os números chegaram a 4.915 casos. Ainda conforme o órgão, é preciso que a população continue engajada no combate ao mosquito evitando água parada e impedindo que potenciais criadouros do mosquito apareçam.

"A melhor forma de combater o mosquito é não deixar ele nascer. E a Faxina nos Bairros cumpre um papel significativo de engajamento popular para o combate desse mosquito", enfatizou o presidente da FMS.

G1GLOBO

Postado por : Ygor I. Mendes

sábado, 7 de maio de 2016

CAR atinge mais de 80% da área prevista




Nos últimos cinco dias, 16,2 milhões de hectares foram incluídos no sistema. Região Norte fecha 100% do Cadastro Ambiental Rural.
O Sistema de Cadastramento Ambiental (Sicar) já é o maior banco de dados de base territorial do mundo. Com 352 milhões de hectares cadastrados na quinta-feira (05/05), atinge 82% da área passível de cadastro no país. O banco de dados torna-se, assim, uma radiografia minuciosa das florestas, bacias hidrográficas, biodiversidade  e uso da terra no Brasil.  “Estamos revelando um novo Brasil”, afirmou a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.

Ela anunciou, nesta sexta-feira (06/05), os novos números do CAR, salientando que o prazo foi estendido apenas para os pequenos produtores. Informou, também, que caso passe a emenda em tramitação no Congresso, prorrogando o período de inscrições para todos, irá recomendar o veto à presidenta Dilma Rousseff. Segundo ela, o que motivou a alteração foi a situação das pequenas propriedades, principalmente no Nordeste e o fato de eles aderirem prontamente.

A região Norte tem toda a sua área cadastrada, com 100% de registro. Em seguida vem o Sudeste, 80,88%. A região Sul, que vinha com os menores percentuais, chegou a 64,74%, superando o Nordeste, que tem 59,44%.

Veja o Boletim Informativo acessando este link: [LINK] http://www.florestal.gov.br/cadastro-ambiental-rural/numeros-do-cadastro-ambiental-rural [/LINK]

Esses dados mostram com mais precisão a realidade fundiária e ambiental brasileira e surpreendem por revelarem uma área conservada de floresta que pode ser do mesmo tamanho da que o Brasil destina a Unidades de Conservação. Quase 97 milhões de hectares até agora.

Se for considerado os dados oficiais do Censo Agropecuário de 2006, do IBGE, o CAR atingiu 97% da área cadastrável.

RETRATO INÉDITO

O Governo Federal já havia mapeado a situação em terras públicas, mas pela primeira vez tem um retrato da situação das áreas de preservação ambiental, reservas legais e áreas de uso restrito em terras privadas.  O diagnóstico georreferenciado, em princípio voltado para a área ambiental, permitirá também ao setor produtivo contar com dados para a gestão das atividades produtivas relacionadas a terra.

Com a ampliação do prazo para os pequenos produtores até 5 de maio de 2017, o sistema entra em manutenção após registrar, em março e abril, 57 milhões de hectares. Os dados do Sicar surpreendem pelo detalhamento, chegando a registrar o número de nascentes do país, bacias e microbacias, áreas remanescentes e até a estrutura fundiária por município. “Ninguém tem isso no mundo”, comemorou o diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro, Raimundo Deusdará Filho.

Entre março e abril, a expectativa de vencimento do prazo, previsto inicialmente para 5 de maio de 2016, levou o sistema a registrar, em apenas cinco dias, mais de 16 milhões de hectares. O pico de acessos foi de 2 milhões de hectares inscritos no período de uma hora. O SFB incluiu, também, 27 milhões de hectares em áreas protegidas e 43 milhões de assentamentos da Reforma Agrária.

O que mais chamou a atenção dos técnicos que operam o sistema é que 54% dos cadastrados com passivo ambiental a restaurar aderiram ao Programa de Recuperação Ambiental (PRA). Para Deusdará, isso demonstra que os proprietário rurais “estão interessados em regularizar sua situação ambiental.”  Agora, o Sicar estará em manutenção nos próximos dias.

MMA

Postado por: Ygor I. Mendes

domingo, 1 de novembro de 2015

Caminhão explode no trecho da Serra das Araras da Dutra, em Piraí, RJ

Acidente aconteceu na pista sentido RJ, onde trânsito foi interrompido.
Informação inicial da PRF é que veículo transportava nafta, produto inflamável.

Do G1 Sul do Rio e Costa Verde

Um caminhão tombou e explodiu por volta das 11h40 deste domingo (1º), na Via Dutra, em Piraí, no Sul do Rio de Janeiro. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, o acidente aconteceu na descida da Serra das Araras, sentido RJ, que continuava fechada às 18h30.
Segundo a NovaDutra, concessionária que administra a rodovia, o trânsito foi desviado para o trecho contrário, sentido SP, que passou a funcionar emergencialmente em mão dupla. A concessionária informou também que não há previsão para liberação da pista sentido RJ, mas o motorista que passa pelo trecho não enfrenta congestionamento.
A PRF aguarda o resfriamento do caminhão para autorizar a NovaDutra a retirá-lo da estrada. A informação da PRF é que o veículo transportava nafta, um produto inflamável. Agentes disseram ainda que uma pessoa ficou levemente ferida no acidente.
A Elaine Veiga e o Fábio Rondinelli passavam pela Dutra no momento do acidente e fizeram images, que mandaram por WhatsApp.
Caminhão explode no trecho da Serra das Araras da Dutra, em Piraí (Foto: Fábio Rondinelli/Arquivo pessoal)Veículo em chamas na Serra das Araras (Foto: Fábio Rondinelli/Arquivo pessoal)
Trânsito congestionado na descida da Serra das Araras decido à explosão (Foto: Elaine Veiga/Arquivo pessoal)Trânsito congestionado na descida da Serra das Araras (Foto: Elaine Veiga/Arquivo pessoal)

sábado, 20 de junho de 2015

Governo estuda criar 4 corredores ecológicos no Cerrado

TERRA18 de Setembro de 2012 | 10h46
 
Quatro corredores ecológicos no Cerrado unindo as Unidades de Conservação (UCs) Emas-Taquari, Paranã-Pirineus, Chapada dos Veadeiros-Serra do Tombador e Jalapão estão sendo estudados pelo governo e contam com o apoio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade. O objetivo da iniciativa é ligar quatro UCs importantes para a biodiversidade, auxiliar na manutenção de processos ecossistêmicos do bioma a fim de ajudar na conservação das espécies. Corredores ecológicos são porções de ecossistemas naturais que ligam UCs. A sua existência facilita a dispersão das espécies e a recolonização de áreas antes degradadas. "O corredor ecológico possui grande relevância para a manutenção dos processos ecossistêmicos e para a viabilidade em longo prazo da biodiversidade existente nas unidades de conservação e outras áreas protegidas", afirma o coordenador de Mosaicos e Corredores Ecológicos do ICMBio, Allan Crema. O projeto do Corredor Ecológico da Região do Jalapão, localizado na região leste do Estado do Tocantins, que abrange uma parte dos Estados da Bahia, do Piauí e do Maranhão, já está em desenvolvimento.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Teresina contará com moderno Centro de Educação Ambiental

O projeto de reforma está em fase de finalização e as obras devem iniciar até o final do semestre

Ana Célia Aragão

Uma biblioteca totalmente verde, onde as pessoas poderão pesquisar e aprofundar seus conhecimentos tendo como cenário a natureza. Um local com amplas salas para realização de oficinas e cursos e uma área de lazer para atividades relacionadas à sustentabilidade. Esta é a proposta para o novo Centro de Educação Ambiental, gerenciado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recurso (Semar), localizado ao lado da Potycabana.

O projeto arquitetônico já está em fase de finalização e a previsão é para iniciar as obras até o final deste semestre. Por conta disso, todas as atividades relacionadas à Educação Ambiental que deveriam ser desenvolvidas no prédio, estão  suspensas. De acordo com as arquitetas Lia Freitas e Danielle Gráss, responsáveis pelo projeto, o prédio será totalmente reformado com melhorias estruturais, como a adaptação dos banheiros existentes para portadores de necessidades especiais, criação de uma sala interativa, jardinagem e melhorias na sala de situação de monitoramento meteorológico, que atualmente se encontra na sede da Semar. A Sala de Situação funciona como um centro de gestão de situações críticas e subsidia a tomada de decisões emergenciais.
“A sala de situação vai proporcionar maior agilidade nos trabalhos relacionados à meteorologia, com informações rápidas que, também, poderão ajudar no atendimento à imprensa, estudantes e pesquisadores”, enfatiza Lia Freitas.


Arquitetas responsáveis pelo projeto( Foto: Semar)

Segundo Danielle Gráss, o novo Centro que utilizará soluções de arquitetura voltado para a sustentabilidade, será todo desenvolvido para as ações de educação ambiental no Estado do Piauí, com cursos de capacitação para professores e atividades para estudantes. O centro também atenderá à população que procura por cursos de  aproveitamento de materiais recicláveis, como papelão, papel, garrafas PET, eletroeletrônicos, dentre outros.

“A proposta da SEMAR é criar um centro de ações voltadas para a sustentabilidade. Para isso, já estamos montando uma equipe de educadores ambientais que irão trabalhar no CEA”, enfatiza o secretário Ziza Carvalho.


O secretário já adianta que uma das principais metas da Semar para o segundo semestre deste ano é a volta do Barco Escola. O projeto vai oferecer à população, especialmente crianças e adolescentes, palestras educativas e passeios de barco,  com a navegabilidade pelo Rio Poti, num percurso saindo do Centro de Educação Ambiental até o Parque Zoobotânico. “O objetivo do barco escolar é mostrar a importância das nossas riquezas naturais e a necessidade de preservá-las”, ressalta.